segunda-feira, 3 de outubro de 2016

Heartwarming moment!


I forgot to share this sooner. It simply warmed my heart. This is how our world will change.
Tinha-me esquecido de partilhar este vídeo que há uns dias me aqueceu o coração! O futuro da humanidade está aqui, é assim que o mundo muda.

domingo, 7 de agosto de 2016

Afghan Refugee Status

The war on Afghanistana “quick” introductory summary (based on collection of diverse online information):
The war events on Afghanistan began in 1978 and has not stopped since. The establishment of a new government on 1973 as Mohammed Daoud Khan led a coup d’état against his monarchic cousin, King Zahir Shah, and declared himself the first president of Afghanistan led to factionalism and rivalry development in the ruling People's Democratic Party of Afghanistan, with two main factions being, Parcham (whose ideology was a gradual move towards socialism ) and Khalqi (supported by the USSR,  defended a violent overthrow of the government and an establishment of a Soviet-style communist regime). The Saur Revolution led by the PDPA on 27–28 April 1978, against the rule of this self-proclaimed Afghan President, was then the key point that led to the 1979 intervention by the Soviets and the Soviet–Afghan War against the Mujahideen (plural form for Mujahid, one engaged in Jihad). 
The Soviet – Afghan war took place on Afghanistan from December 1979 to February 1989. Ten years of war in which between 850,000–1.5 million civilians were killed and millions of Afghans fled the country as refugees. After the Saur Revolution, the pro-Soviet Nur Mohammad Taraki government took power and started radical modernization reforms throughout the country. By April 1979 large parts of the country were in rebellion, by December the government had lost control of territory outside of the cities and on December 24, the deployment of the 40th Army began and arriving in Kabul, they staged a coup, killing the Afghan president Hafizullah Amin and installing rival Afghan socialist Babrak Karmal. This lasted until February 15, 1989, with the troop withdrawal starting on May 15, 1988. The Soviet – Afghan war was considered part of the Cold War.
The next war event on Afghanistan was The Afghan Civil War fought between 1989 and 2001. From 1989 to 1992 the first phase of the Afghan Civil War took place, after the Soviet Union withdrew from Afghanistan, and when the Afghan communist on the Najibullah’s regime fought by themselves against the Mujahideen. This first phase gave place to the second one on 1992 when Kabul came under control of the Islamic State of Afghanistan, after the resignation of the communist President Mohammad Najibullah. The post-communist Islamic State of Afghanistan was established by the Peshawar Accord, a peace and power-sharing agreement under which all the Afghan parties were united, signed in April 1992 by all the major Afghan Anti-soviet resistance parties, except for the Hezb-e Islami of Gulbuddin Hekmatyar.
The main leaders of this war on it’s third phase (from 1992 to 2001) were Ahmad Shah Massoud (United Front and the Islamic State of Afghanistan), Mullah Mohammad Omar (Taliban) and Osama Bin Laden together with Ayman al-Zawahiri ( "Al Qaeda"). By then, the quality of life of the Afghan population was completely dependent on the specific leader that was on that moment controlling the area in which they lived. 
The war in Afghanistan (or the American war in Afghanistan) is the period in which the United States invaded Afghanistan after the September 11 attacks. Supported initially by close allies, and later joined by NATO, this invasion had the public aims of dismantling al-Qaeda and removing the Taliban from power.According to several UN reports, the Taliban were responsible for 76% of civilian casualties in Afghanistan in 2009; 2,777 civilians were known to have been killed in 2010, 1,462 non-combatants died in the first six months of 2011; in 2013 there were 2,959 civilian deaths; 60% of Afghans have direct personal experience and most others report suffering a range of hardships. 96% have been affected either personally or from the wider consequences.
Since 2001, more than 5.7 million former refugees have returned to Afghanistan, but 2.2 million others remained refugees in 2013.On 27 May 2014, the US President Barack Obama announced that U.S. combat operations in Afghanistan would end in December 2014 but that a “residual force” of 9,800 troops would remain in the country with the goal of training Afghan security forces and supporting counterterrorism operations against remnants of al-Qaeda. On 30 September 2014 the Bilateral Security Agreement between the United States and Afghanistan was sign and this document aims to provide the long-term framework for the relationship between Afghanistan and the United States of America after the drawdown of U.S. forces in the Afghanistan warBut this doesn’t mean the war in Afghanistan is over now… Taking a look at the recent timeline of events we see that:
- 5th January 2015: a suicide car bomber attacked the headquarters of EUPOL Afghanistan in Kabul, killing 1 person and injuring 5. The Taliban claimed responsibility.
- Mid-January 2015: the Islamic State of Iraq and the Levant established a branch in Afghanistan called Wilayah Khorasan and began recruiting fighters and clashing with the Taliban.
- February 2015: the headquarters element of the U.S. 7th Infantry Division began to deploy to Afghanistan.
- 18th March 2015: Hafiz Wahidi, ISIL's replacement deputy Emir in Afghanistan, was killed by the Afghan Armed Forces, along with 9 other ISIL militants who were accompanying him.
- 19th March 2015: it was reported by Reuters that the U.S. military bases in Kandahar and Jalalabad are likely to remain open beyond the end of 2015.
- 25th March: the Afghan National Army killed twenty-nine insurgents and injured twenty-one others in a series of operations in the DaikundiGhazni, and Parwan provinces.
- 22nd June 2015: the Taliban detonated a car bomb outside the National Assembly in Kabul.- June: the Taliban intensified attacks around the Northern city of Kunduz as part of a major offensive in an attempt to capture the city.
- 11th November 2015: it was reported that infighting had broken out between different Taliban factions in Zabul province. Fighters loyal to the Taliban leader Mullah Akhtar Mansoor fought against a Pro-ISIS faction led by Mullah Mansoor Dadullah. According to the provincial director of security in Zabul, more than 100 militants from both sides were killed since the fighting broke out.
-  10th March 2016: officials said that the Taliban clashed with the Taliban splinter group in the Shindand district of Herat with up to 100 militants killed.
- 12th April 2016: the Taliban announced that they would launch an offensive called Operation Omari/Spring Offensive.
- 1st June 2016: Taliban insurgents stormed a court in the Afghan city of Ghazni, clashing with police for one hour, at least, in an attack in which 10 people were killed. The attack came days after the Taliban, vowed to seek revenge for the execution of six Taliban prisoners by the Afghan government on the previous month. 
- June 2016: US President Obama approved a policy to give the U.S. military greater ability to accompany the Afghan forces fighting the Taliban, this decision also allows greater use of US air power, particularly in CAS missions.
- June 2016: two suicide bombers attacked an Afghan police convoy carrying recently graduated cadets, killing 40 of them and injuring another 40. The incident came 10 days after an attack on a bus carrying Nepali security guards working for the Canadian embassy in Kabul that killed 14 people 
- July 2016: President Obama announced that he plans to leave 8,400 US troops in Afghanistan when he finishes his term (instead of reducing the number of personnel to 5,500 troops by the end of this year).
- July 2016: two suicide bombers linked to the so-called Islamic State (IS) killed 80 people and wounded 230 more in Kabul.
- 1st August 2016: explosion in Kabul on a compound housing foreign contractors that came under Taliban’s attack, 3 police officers were killed and other 3 were injured.
- PRESENT: at least 20% of Afghanistan still in the hands of the Taliban.


Being in a camp with mostly Afghans gave me the urge to get closer to their history in order to better understand what they have been through, being in a camp with mostly Afghans made me become friends with many of them and share their worries, concerns and frustrations on all the “refugee status” issue and all the bureaucratic processes they have been put through.They are escaping a war, they are escaping a real threat, and many of them have inside as well as outside scars to prove it, many of them lost family members… and many of them witnessed that loss. All of them went through life living real life nightmares no human being should ever have to even think off… but they did, and they escaped, and they are here struggling to go somewhere else, somewhere they can live in peace, start a new life with their families and for the first in many years be happy and safe.Now they are in Greece, stuck in a refugee camp, they left behind money, possessions and family, they abandoned their lives and haven’t had the chance to get it back yet. They are not looking for our money, they are not looking for our jobs, they just want a better chance to survive this mad world and be safer, they just want to raise their kids in a place where they don’t have to be concerned about explosive devices on their way to school or when they are playing football outside, they just want them to grow up without the constant whispering of fear.
The first step for all refugees is applying for asylum in Greece (or in the country they are at the moment) then, if they get it and they still want to go somewhere else, applying for relocation. And there’s where the problem begins.


Who can apply for relocation? (quoted)
"The Relocation Program concerns citizens of countries for which the rate of granting international protection is over 75%, based on the European average recognition rates. Based on the latest Eurostat quarterly data (4th quarter of 2015), the nationalities eligible for relocation are currently 15: Burundi, Central African Republic, Eritrea, Costa Rica, Saint Vincent and the Grenadines, Bahrain, Iraq, Maldives, Syria, and British overseas countries and territories. Compared to the previous quarterly report, Yemen and Swaziland are no longer eligible for relocation. The large majority of beneficiaries until now are Syrians.”
No relocation for Afghans. Afghans are refugees but not war refugees… Did you care to read the facts on the beginning of this post? This is frustrating and this is the main reason they leave the camps and try to cross their own away into another countries, with smugglers who take everything but their souls, in order to make money out of an unbearable situation. And the thing that hurts me the most in the middle of this is the awareness that this cold hearted smugglers stand a greater chance of helping my beloved friends than I do.

Come on Europe… We are all waiting!
-
A Guerra num Afeganistão - um resumo introdutório (baseado em pesquisas online):
Os eventos de guerra no Afeganistão começaram em 1978 e nunca mais pararam. O estabelecer de um novo governo em 1973 quando Mohammed Daoud Khan liderou um golpe contra o primo monárquico, o Rei Zahir Shah e se auto-proclamou o primeiro presidente do Afeganistão, levou ao desenvolvimento de partidismos e rivalidades no Partido Democrático Popular do Afeganistão sendo as duas maiores facções, Parcham (cuja ideologia defendia uma mudança gradual para o socialismo)  e Khalqui (apoiantes da USSR e que defendiam o violento derrubar do governo e estabelecer um estilo de regime parecido com o Soviético). A Revolução de Saur liderada pelo PDPA a 27/28 de Abril de 1978 contra esse auto-proclamado presidente foi o ponto fulcral que levou à intervenção dos Soviéticos em 1979 e à Guerra Afegã-Soviética contra os Jihadistas. 
A Guerra Soviética-Afegã ocorreu no Afeganistão de Dezembro de 1979 a Fevereiro de 1989. Dez anos de guerra nos quais 850-000-1.5 milhões de civis foram mortos e milhões de Afegãos fugiram dos seus países como refugiados. Depois da Revolução de Saur, o governo pro-soviético de Nur Mohammad Taraki tomou posse e implementou reformas modernas por todo opaís. Em Abril de 1979 grande parte do país estava em rebelião e, em Dezembro o governo tinha perdido território fora das cidades. A 24 de Dezembro o desenvolvimento do 40º exército começou e em Kabul lideraram um golpe em que mataram o presidente da altura, Hafizullah Amin e proclamaram o rival socialista Babrak Karmal. Isto durou até 15 de Fevereiro de 1989, a 15 de Maio as tropas começaram a retirada e a Guerra Soviética-Afegã acabou sendo agora considerada parte da Guerra Fria. 
O evento que se seguiu foi a Guerra Civil Afegã, constituida por três fases durou de 1989 a 2001. A primeira fase, de 1989 a 1992, depois da retirada da União Soviética do Afeganistão e quando o regime comunista de Najibullah's lutava sozinho contra os Jihadistas. Esta primeira fase deu lugar à segunda em 1992 quando Kabul passou a estar sob controlo do Estado Islâmico do Afeganistão, depois do presidente comunista se ter despedido. O Estado Islâmico Afegão, pós comunista, foi estabelecido depois do acordo de Peshawar, um acordo de paz e de partilha de poder para os partidos Afegãos assinado em Aabril de 1992 por todas as maiores facções Afegãs Anti-Soviéticas à excepção do Hezb-e Islami Gulbuddin.
Os principais lideres que participaram desta guerra na sua terceira fase (de 1992 a 2001) foram Ahmad Shah Massoud (Frente Unida e Estados Islâmico do Afeganistão), Mullah Mohammad Omar (Talibãs) e Osama Bin Laden juntamente com Ayman al-Zawahiri ("Al Qaeda"). Na altura, a qualidade de vida da população Afegã era completamente dependente do líder que na altura controlasse a área onde vivia. 
A Guerra Americana no Afeganistão é o período no qual os Estados Unidos invadem o Afeganistão depois dos ataques do 11 de Setembro. Inicialmente apoiada por aliados próximos e mais tardiamente pela NATO, esta invasão tinha como objectivos públicos desmantelar a "Al-Qaeda" e remover os Talibãs do poder.  
De acordo com diversos relatórios das Nações Unidas, os Talibãs foram responsáveis por 76% das mortes de civis no Afeganistão em 2009; 2,777 civis foram mortos em 2010; 1,462 não combatentes morreram nos primeiros seis meses de 2011; em 2013 2,959 civis morreram; 60% dos Afegãos já experienciou pessoalmente danos de guerra e muitos outros relatam sofrer diversas adversidades; 96% foram afetados pessoalmente ou pelas consequências mais amplas da guerra. Desde 2001, mais de 5.7 milhões de refugiados regressou ao Afeganistão mas 2.2 milhões continuaram ainda como refugiados em 2013. 
A 27 de Maio de 2014, o presidente dos Estados Unidos Barack Obama anunciou que que as operações combatentes no Afeganistão iriam terminar em Dezembro de 2014 e que apenas uma "força residual" de 9,800 tropas continuaria no país com o objetivo de treinar as forças de segurança Afegãs e de dar apoio às operações anti-terrorismo. Em Setembro de 2014 o Acordo Bilateral de Segurança entre os Estados Unidos e o Afeganistão foi assinado. Este documento tem como objetivo fornecer uma prespectiva a longo prazo para a relação destes dois países depois da retirada das tropas americanas na Guerra no Afeganistão. 
Mas isto não significa que a guerra no Afeganistão tenha acabado... Analisando os de acontecimentos recentes: 
- 5 de Janeiro de 2015: um carro com bombista suicida ataca o quartel general da EUPOL no Afeganistão em Kabul, matando 1 pessoa e ferindo 5. Os Talibãs reivindicaram o ataque.
- Janeiro de 2015: o Estado Islãmico do Iraque e Levante estabelece um ramo no Afeganistão chamado Wilaya Khorasan e começa a recrutar e a lutar com os talibãs. 
- Fevereiro de 2015: um quartel general da Divisão da Sétima Infantaria Americana implementa-se no Afeganistão. 
- 18 de Março de 2015: Hafiz Wahidi, o representante do ISIL no Afghanistão é morto pelas Forças Armadas Afegãs, juntamento com outros 9 militantes do ISIL que o acompanhavam. 
- 19 de Março de 2015: foi reportado pela Reuters que as bases militares americanas em Kandahar e Jalalabad ficariam abertas até ao fim de 2015.
- 25 de Março de 2015: o Exército Nacional Afegão mata 29 insurgentes e fere outos 21 numa série de operações das províncias de DaikundiGhazni, e Parwan.
- 22 de Junho de 2015: os Talibãs detonam um carro-bomba junto à Assembleia Nacional em  Kabul.
Junho 2015: os Talibãs intensificam ataques junto à cidade de Kunduz  numa tentativa de capturar a mesma.
- 11 de Novembro de 2015: é reportado que lutas internas tinham começado entre duas diferentes facções Talibãs na província de Zabul. Combatentes leais ao Lider Talibã Mullah Akhtar Mansoor lutaram contra a facção Pro-ISIS liderada por Mullah Mansoor Dadullah. De acordo com o diretor provincial de segurança de Zabul, mais de 100 militantes de ambas as facções foram mortos.
-  10 de Março de 2016: oficiais dizem que os Talibãs se revoltaram contra u grupo dissidente em Shindand distrito de Herat com mais de 100 militantes mortos.
- 12 de Abril de 2016: os Talibãs anunciam a Operação Omari/Ofensiva Primaveril.
1 de Junho de 2016: Insurgentes Talibãs invadiram um tribunal na cidade de Ghazni, lutando com a polícia por mais de uma hora num ataque onde 10 pessoas foram mortas. O ataque ocorreu dias depois dos Talibãs terem jurado procurar vingança pela execução de seis prisioneiros Talibãs do governo Afegão no mês anterior.
- Junho de 2016: O presidente Americano Obama aprovou uma política para dar aod militantes maior abilidade para acompanharem as forças Afegãs que lutam contra os Talibãs, a decisão permite também um maior uso do poder aéreo especiamente em missões CAS. 
- Junho de 2016: dois bombistas suicidas fizeram se explodir junto a uma viatura policial que transportava cadetes recém formados, matando 40 e ferindo outros 40. O incidente acontece 10 dias depois do ataque a um autocarro com seguranças nepaleses ao serviço da embaixada Canadiense em Kabul, matando 14 pessoas.
- Julho de 2016: O presidente Obama anunciou os seus planos para deixar 8,400 tropas no Afeganistão assim que acabe o seu mandato (em vez de reduzir o número para 5,500).
- Julho de 2016: dois bonbistas suicidas ligados ao Estado Islâmico matam 80 pessoas e ferem 230 em Kabul. 
- 1 de Agosto de 2016: explosões em Kabul, pelos Talibãs, numa habitação com empreiteiros estrangeiros, 3 policias foram mortos e 3 ficaram feridos. 
- ATUALIDADE: pelo menos 20% do Afghanistan continua sob domínio Talibã. 


Estar num campo com maioritariamente refugiados provenientes do Afeganistão, fez me querer pesquisar mais a história e compreender melhor o background, estar num campo com maioritariamente refugiados provenientes do Afeganistão fez me criar amizades com muitos deles e portanto partilhar as suas preocupações, dúvidas e frustrações sobre o processo burocrático a que têm de se submeter e sobre o status de refugiados que têm.
Estão a fugir de uma guerra, de uma ameaça real e muitos deles têm cicatrizes internas ainda maiores que as externas para o provar, muitos deles perderem familiares... e muitos deles testemunharam esse momento. Todos passaram por um pesadelo da vida real que nenhum ser humano devia sequer ter de imaginar... mas eles tiveram de o viver, escaparam e aqui estão, a lutar para chegar a um lugar melhor onde possam recomeçar uma nova vida, em paz, com as suas famílias e estar, pela primeira vez em demasiados anos, felizes e seguros.
Agora estão na Grécia, presos num campo de refugiados, deixaram para trás dinheiro, posses e família,  abandonar as suas vidas e ainda não tiveram oportunidade de as recuperar. Não vêm para a Europa à procura de dinheiro, nem de ficar com os nossos empregos, apenas querem uma oportunidade de sobreviverem à loucura deste mundo e maior segurança, apenas querem a possibilidade de criarem os filhos num lugar onde não se têm de preocupar com minas explosivas no caminho para a escola ou que uma bomba os atinja quando jogam futebol na rua, apenas querem que eles tenham oportunidade de crescer longe do medo constante.O primeiro passo para todos os refugiados é solicitarem asilo na Grécia (ou no país em que se encontram de momento), depois se o conseguirem e se quiserem deslocar-se para outro lugar tem de concorrer para recolocação. E aqui é que o problema começa. 
Quem pode candidatar-se a recolocação? (quoted)(translated)
"O Programa de Recolocação é válido para cidadãos de países nos quais a taxa de concessão de protecção internacional é superior a 75%, com base nas taxas de reconhecimento médios da Europa. De acordo com os últimos dados, as nacionalidades elegíveis para recolocação são, actualmente, 15: Burundi, República Central Africana, Eritreia, Costa Rica, São Vicente e Granadinas, Bahrein, Iraque, Maldivas, Síria e países e territórios ultramarinos Britânicos. Comparando com o relatório anterior, habitantes do Yemen e Suazilândia deixam de ser elegíveis a recolocação. A maioria de beneficiários até ao momento são Sírios."


Afegãos não têm direito a recolocação, porque Afegãos são refugiados mas não refugiados "de guerra"... Chegaste a ler o resumo no início do post? O Afeganistão passa por guerras recorrentes desde 1978 mas, ainda assim, os seus habitantes não são refugiados de guerra. Isto é frustrante e é a principal razão pela os refugiados Afegãos abandonam os campos e tentam à sua própria maneira chegar a outros países, com contrabandistas que lhes pedem tudo em troca à excepção das suas almas e que só pensam em fazer dinheiro à custa de uma situação insustentável. E o que me magoa mais no meio disto tudo é ter consciência de que esses contrabandistas calculistas têm maior capacidade de ajudar os meus amigos que eu. 

Va lá Europa... Estamos todos à espera!

sexta-feira, 5 de agosto de 2016

#teamrefugee



Meet the #teamrefugee at the 2016 Olympics in Rio!



"This is the first time in the history of the Games that an entire team has been composed of refugees – without a motherland, without a home, but with a purpose. They are now official Olympians. They live in the Olympic village. They will run, swim and grapple with gold medallists. They might even become medallists themselves.
But the road to Rio wasn’t paved with gold for any of them. In a world where so many refugees are treated as less than human, called “terrorists” and, in some particularly ignorant columns, “cockroaches”, getting to an Olympic challenge is no easy feat. And that’s assuming you survive escaping your own country in the first place." (source)

sábado, 30 de julho de 2016

~ Chasing Chaos


The book is Chasing Chaos by Jessica Alexander (one that I really want to read!) and the picture was taken by my friend and real life hero Sara!

No words would fit better after deciding to postpone the trip back to Portugal and after all the support my family gave me. Thank you for encouraging me to stay where I feel that I am supposed to be.

-

Não há palavras que se adequem melhor depois de decidir adiar a viagem de regresso a Portugal e de todo o apoio que recebi da minha família para o fazer. Obrigada por me encorajarem a ficar onde sinto que devo estar.

sexta-feira, 29 de julho de 2016

Back to the camp!

Two weeks after arriving in Greece for the second time, I still have no time to sit down and write.  I am not here to volunteer in the clinic this time but I am replacing Lisa, the camp manager, at Do Your Part while she visits her family. Hard job this one… how do you replace an irreplaceable person?When I left the camp, 200 people were living here now, the camp has outgrown itself and we have more than 550 residents and are faced with challenges every day.
The hope that I first saw is slowly fadding from being in the same situation over and over again, day after day and that resents on the environment of the camp. Having more people here made the residents turn into survival mode again, and who can blame them after all that they already faced? We still work on it, every day with love and willing and try to turn this place into a community and not only a waiting camp, us volunteers and the residents as well, and we will, with patience and hard work make this place a little bit better every day despite all the adversities and challenges!  
I was preparing to leave on August 3rd but how can I turn my back on this place and just go? I left with the feeling that I would definitely be back and now I stay with the feeling that I would never be able to completely leave.
If you are reading this and you are willing to volunteer please do it! We need you here, the residents need you here and even a small drop can make the Ocean bigger. 
I am also so thankfull for all the support messages I have been receiving and want to share one of them with you.




Duas semanas depois de chegar à Grécia pela segunda vez e ainda nem tive tempo de me sentar e escrever alguma coisa neste blog. 
Desta vez não estou aqui a trabalhar na clínica mas sim a substituir a Lisa, a manager do campo, o que é um trabalho bastante difícil… Como se substitui uma pessoa única? 
Quando deixei o campo, 200 pessoas viviam nele, neste momento a capacidade foi completamente excedida, temos mais de 550 residentes e enfrentamos muitos desafios a cada dia. 
A esperança que estava habituada a ver aqui transformou-se um pouco em desespero por estarem na mesma situação tanto tempo e nem sequer saberem quando algo vai mudar, o que se ressente no ambiente vivido. O facto de muito mais pessoas estarem aqui agora fez com que os residentes voltassem ao estado de alerta máximo e "modo de sobrevivência", e quem os pode culpar depois de tudo o que já viveram? Continuamos a trabalhar todos os dias, com amor e força de vontade para transformar este lugar numa comunidade e não apenas num “campo-de-espera”, nós voluntários e claro os residentes também e acredito que vamos, com todo o trabalho árduo, tornar este lugar um bocadinho melhor a cada dia apesar de todas as adversidades e desafios. 
Estava a preparar-me para deixar o campo a 3 de Agosto mas como posso virar as costas a isto e apenas ir? Fui embora com a sensação e que ia definitivamente voltar e agora fico com a sensação de que nunca serei capaz de partir inteiramente. 
Se por acaso tens vontade de te voluntariar por favor fá-lo! Precisamos de toda a ajuda aqui!
Estou também extremamente agradecida por todas as mensagens de força que tenho recebido e partilho uma delas na imagem acima. 

terça-feira, 14 de junho de 2016

See you soon Oinofyta.

Tomorrow is my last day at the camp, for now at least... 
When I began this journey I couldn't even dream that I would make a family in Greece, a big, international family, with many different beliefs and languages. I remember the last days before coming here, the last minute anxiety, feeling unsure... I remeber being on the plane with a heavy heart and thinking how much I would miss my family and friends this month. Now, as I get ready to leave, I feel exactly the same thing for the family I am about to leave here. 
Their problems became my problems, their worries became my worries, and their hearts gained forever a place in mine. 
If only the world could see how it goes, how religion and race don't matter when compared to love and friendship... I leave ready to come back, with actual plans and dates, because It couldn't be any other way, through all my life I will never, ever be able to forget what I saw, what I heard, what I did and what we made together and through all my life I will never be able to forget these faces, tears and smiles and the ones who deeply touched my heart. 
I changed forever because I realized even more how messed up this world is, but most of all, I changed forever because I realized the great things love can overcome. 
I learnt way more Persian than Greek while I was here, but for this I only can say: Meraki.


-

Amanhã é o meu último dia no campo, pelo menos por agora...
Quando comecei esta aventura não podia sequer imaginar que ia ganhar uma família na Grécia, uma grande família, internacional e com muitas e diferentes crenças e línguas. 
Lembro-me dos últimos dias antes de partir para aqui, da ansiedade que senti, da insegurança... Lembro-me de estar no avião de coração apertadinho a pensar no quanto ia ter saudades da minha família e amigos durante este mês. Agora, pronta para ir embora, sinto exatamente o mesmo da família que estou prestes a deixar.
Os seus problemas passaram a ser os meus, as suas preocupações passaram a ser as minhas e os seus corações ganharam para sempre um espacinho no meu.
Quem dera que o mundo inteiro pudesse ver como é na realidade, como a religião e a raça não interessam para nada quando comparadas com o amor e a amizade. 
Parto com ideias de voltar,  com datas e planos, porque não poderia ser de outra forma, para o resto da minha vida nunca vou esquecer o que vi, o que ouvi, o que fiz e o que construimos juntos e durante o resto da minha vida nunca serei capaz de esquecer estas caras, as lágrimas e os sorrisos que partilhamos e aqueles que tocaram profundamente o meu coração. 
Mudei para sempre porque me apercebi ainda mais do quão estúpido é este mundo em que vivemos. Mudei para sempre porque me apercebi da imensidão de coisas que o amor consegue superar.
Durante a minha estadia aprendi muito mais coisas em Persa do que em Grego no entanto fica com este texto a palavra que grega que mais marcou: Meraki.